Arquivo

Textos com Etiquetas ‘clima’

Curso Internacional Agroecologia e Restauração Ecológica

12, janeiro, 2017 Sem comentários

 

Curso Internacional

Agroecologia e Restauração Ecológica: Agropaisagens Sustentáveis com Resiliência

De 15 a 17 de Março de 2017, Florianópolis – SC

 

Promoção

Sociedad Cientifica Latinoamericana de Agroecología –SOCLA

Centro para la Investigación en Sistemas Sostenibles de Producción Agropecuaria – CIPAV

Programa de Pós-Graduação em Agroecossistemas – PGA/UFSC

Programa de Pós-graduação em Recursos Genéticos Vegetais – PPGRGV/UFSC

Local

Centro de Ciências Agrárias (CCA), Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Rodovia Admar Gonzaga, 1346, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, CEP 88.034-001

Docentes

Clara Nicholls – Universidade da Califórnia, Berkeley – SOCLA

Enrique Murgueitio – CIPAV, Colômbia

Illyas Seddiqui – PGA e PPGRGV/UFSC, Brasil

Miguel Altieri – Universidade da Califórnia, Berkeley – SOCLA

Zoraida Calle Díaz – CIPAV, Colômbia

Tópicos principais

  • Bases científicas da Agroecologia
  • Função da biodiversidade nos agroecossistemas
  • Conversão de sistemas convencionais ao manejo agroecológico
  • Criação sustentável de bovinos na América Latina e Caribe
  • Sistemas agroflorestais pecuários
  • Sistemas silvopastoris intensivos (SSPi)
  • Avaliação técnica, econômica e de bem estar animal dos SSPi
  • Bases teóricas da restauração ecológica
  • Restauração ecológica em agropaisagens.
  • Agroecologia e resiliência a mudanças climáticas
  • Sistemas Agroflorestais sucessionais
  • Construção e socialização de conhecimentos agroecológicos e agroflorestais para a resiliência socioecológica

Inscrição

O prazo de inscrição e pagamento da taxa do curso é dia 15 de Janeiro de 2017.

Interessados, por favor, enviar email a Rubens Onofre Nodari (rubens.nodari@ufsc.br) ou para Secretaria da SOCLA (m.mayrag.m@gmail.com).

Numero de vagas

30 para profissionais e 15 para estudantes.

Custo

US$ 100 dólares ou valor equivalente em Reais para profissionais e US$ 50 dólares ou valor

equivalente em Reais para 15 estudantes

O pagamento deve ser feito via PayPal ou Skype, cujo acesso está na página www.socla.co (mais detalhes serão informados proximamente). A SOCLA emitirá recibo de pagamento, que não equivale a uma nota fiscal.

Certificado

O certificado de participação será emitido pelos promotores SOCLA, CIPAV, PGA e PPGRGV/UFSC.

Para os alunos do PGA e PPGRGV, o curso poderá ser validado como um crédito em disciplinas

 

::

Agricultura e a COP 21

22, janeiro, 2016 Sem comentários

srb_cop

Como se vê na matéria indicada no link abaixo, parece que entidades ambientalistas e a Sociedade Rural brasileira estão falando a mesma língua unidas em torno a um “agronegócio sustentável”. A contribuição da agricultura para o clima vem do “robusto” programa ABC (Agricultura de Baixo Carbono, ou seja, mais e mais monoculturas carregadas de insumos químicos) e da integração lavoura-pecuária-florestas. Nenhuma palavra sobre o papel da agricultura familiar, da agroecologia e da Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica na adaptação aos efeitos das mudanças climáticas.

COP-21: Desafio do Brasil é ampliar agricultura de baixo carbono

 

Categories: agroecologia Tags: ,

Conferência de Paris sobre clima: não cita a palavra “agricultura”

19, novembro, 2015 Sem comentários

Slow Food alerta para o fato de que o documento base para as negociações sobre o clima que se iniciam no final do mês em Paris não trata do tema agricultura. Movimento pede que o debate sobre o modelo de produção agrícola tenha centralidade na COP 21 e que seu paradigma atual seja revisto.

Conferencia de París sobre el clima: no se cita la palabra “agricultura”. Slow Food: «No reconocer la importancia de la relación entre alimentación y clima es una grave falta »

Dentro de pocos días los gobiernos de todo el mundo se reunirán en París para hablar de cambio climático. Después de 20 años de debates, mediaciones y forum fallidos, la conferencia de París (COP 21) intentará concluir, por primera vez, un acuerdo vinculante y universal.

En las 54 páginas del texto de las negociaciones (http://unfccc.int/resource/docs/2015/adp2/eng/11infnot.pdf), sin embargo, falta por completo el término “agricultura”, aunque haya muchas referencias al tema de la seguridad alimentaria. Una laguna gravísima según Slow Food.

La ausencia de este término significa relegar al margen de la discusión una cuestión que, sin embargo, es central: la relación entre la alimentación y el clima. Dependiendo del sistema que se tome como referencia, la agricultura, la ganadería y la producción de alimentos representan muchas cosas: por una parte, una de las causas principales del cambio climático; por otra, una de las víctimas; por otra más, una de las soluciones posibles. El hecho de que la atención se esté concentrando sobre los sectores de la energía, de la industria pesada y de los transportes significa no reconocer el papel clave de la agricultura.

Por esto Slow Food dirige a los representantes de los países y las instituciones internacionales reunidos en París el llamamamiento “No nos comamos el clima”, a fin de que la agricultura se encuentre en el centro del debate.

Este llamamiento parte de la necesidad de subrayar cómo solo a través de un cambio radical de paradigma en el actual sistema de producción, transformación, distribución, consumo y eliminación de los alimentos se podrá conseguir mitigar el cambio climático.

Al mismo tiempo, a la luz de los ataques terroristas en París y a la decisión de las autoridades de seguridad pública de cancelar la Marcha por el Clima, Slow Food, con el aval del presidente internacional Carlo Petrini, apoya la solicitud de la sociedad civil de no ceder ante el miedo y de poder expresar a través de la movilización de la gente en las calles la necesidad de luchar contra la injusticia, la pobreza, la desigualdad y el desastre ecológico causados también por las consecuencias del cambio climático del que se debate en la Cop 21.

Es más urgente cada vez reintegrar valor a los alimentos, reduciendo el despilfarro, promoviendo prácticas agroecológicas, alentando las cadenas cortas.

Si, por el contrario, prevalece el modelo agroalimentario industrial moderno –basado en el uso creciente de derivados del petróleo, la producción en amplia escala y la explotación indiscriminada de los recursos naturales-, no solo no será posible invertir la tendencia, sino que afectara más negativamente cada vez sobre el aumento de la temperatura media, que según el Quinto Informe de Evaluación del IPCC, en el último siglo ha ya registrado un incremento de +0,85°C.

El modelo agroalimentario industrial moderno se funda en una idea de crecimiento infinito cuando los recursos de nuestro planeta son finitos. Armonizar esta certeza con las cifras de la población mundial, destinada a alcanzar los 9 millardos de seres humanos antes de 2050, es uno de los más importantes desafíos que tenemos por delante. Por esto, a través del llamamiento que Slow Food invita a todos a firmar, solicitamos que los países y las instituciones reunidas en París promuevan políticas internacionales eficaces, dirigidas a alcanzar el objetivo de un cambio radical del sistema alimentario actual.

Descarga el llamamiento “No nos comamos el clima”.

Firma también tú, hagamos oír nuestra voz.

Para mayores informaciones contacten, por favor, con la Oficina de Prensa de Slow Food Internacional:

Paola Nano, +39 329 8321285 p.nano@slowfood.it 

Slow Food agrupa a más de un millón de personas entregadas y apasionadas por una comida buena, limpia y justa: chefs, jóvenes, activistas, agricultores, pescadores, expertos y académicos de más de 158 países. La red agrupa a alrededor de 100.000 miembros de Slow Food en 1.500 convivium locales de todo el mundo (conocidos como convivium) que colaboran a su andadura a través de su cuota de afiliación, así como de los eventos y campañas que organizan; y más de 2.500 comunidades del alimento de Terra Madre que practican una producción sostenible y de pequeña escala de alimentos de calidad.

 

Categories: agroecologia, alimentação Tags:

Seminário: A Agricultura Familiar e Camponesa Diante dos Cenários Climáticos decorrentes do Processo de Aquecimento Global

11, novembro, 2015 Sem comentários

convite_MDA_ABRA

Categories: governos Tags: ,

Agroecology for climate resilience in semi-arid regions

13, fevereiro, 2015 Sem comentários

Agricultures, February 2015

Farmers’ knowledge and agroecological experiences are the cornerstone of resilience. This was the main message coming out of the international seminar Building Agroecological Resilience in Semi-arid Regions, which took place in Campina Grande in Brazil from January 21-23, 2015. The AgriCultures Network supported the seminar, and made contributions from Senegal and Brazil.

The seminar followed two days of field visits to agroecological initiatives in Paraiba, Borborema and Cariri. It  attracted a few hundred farmers, researchers, activists and policy makers.

Reversing hunger with agroecology

The first speaker was Souleymane Cissé of IED Afrique in Senegal, a member of the AgriCultures Network. He emphasised that climate change and droughts are highly worrisome in the Sahel. Recent droughts were responsible for the degradation of 67% of land in the Sahel, where 60% of the food is produced by family farmers. This has its effects on food security with malnutrition reaching 16 million people and generating losses of 9 billion.

Revived traditional agroecological experiences have contributed to reversing the situation of hunger and malnutrition, and also to reducing rural migration of young people to European countries”, Cissé said. Although agroecology is relatively small in Africa when compared to Brazil, Souleymane notes that agroecology is making advances as a result of the growing networks that promote it.

According to Clara Nicholls, coordinator of Redagres Colombia and a member of SOCLA, agroecological systems are much more energy-efficient than conventional systems. Conventional systems spend more energy per unit of production, mainly because they are vulnerable to droughts and only productive with a lot of water, raw materials and energy. The knowledge of farmers is often disregarded in these systems. This is different in agroecology, Nicholls stated: “Agroecology does not work with ready-made recipes, but with mutual learning“.

Democratising access

Video: an impression of the international seminar (in Portuguese)


Video: farmers in Remigio receive visitors from the seminar (in Portuguese)

The seminar, co-organized by AS-PTA, the Articulation of the Brazilian Semiarid (ASA) and the National Institute of the Semi-Arid (INSA), took place at the start of the International Year of Soils.

The concentration of land in semi-arid regions is one of the major obstacles to the resilience of family farmers in the region. Access to land must be democratised and public policies reoriented so that the experience of family farmers who manage to successfully live in and with semi-arid conditions can be multiplied, broadened and consolidated” said Paulo Petersen, executive coordinator of AS-PTA.

ASA, a civil society network, has been engaging with the knowledge and practices of farmers since they were founded, 15 years ago. According to Gloria Araujo, coordinator of ASA, linking this knowledge to policy decisions in essence is a process of democratization.

Luciano Silveira, coordinator of AS-PTA and ASA representative, in the Brazilian semi-arid region, where 35% of family farmers in the country are situated, export oriented agriculture has resulted in a concentration of land and water resources. The problem however is framed as one of ‘drought relief’, rather than one of access. Luciano explained how considerable successes were booked in decentralizing access to resources, especially land and water, by ensuring the economic and social participation of communities. In the end families were better able to cope with periods of drought.

Building new policies from below

Systematizing experiences, facilitating exchange and entering into dialogue with public institutions were important in this process. Over the past 15 years, ASA systematized 1,500 experiences and performed more than 1,300 exchanges with the involvement of 34,000 farmers. By entering into a partnership with the Federal Government, ASA has moreover been able to change public policy, which is now better geared to support these farmers and their practices, through a bottom-up strategy.

Ricardo Padilla from the United Nations Food and Agriculture Organization (FAO) stated how important seminars like these are to bring together different actors and come to joint visions and action in the area of climate change and desertification. This is also what the National Institute of the Semi-Arid (INSA) in Brazil plans to do. At the seminar, participants evaluated the preliminary results of ASA/INSA research on how agroecology was used to build resilience in various regions in Brazil. Ignacio Salcedo, representing INSA, said that they plan to work more closely with social movements and to take on board the knowledge of family farmers in a more integral way.

After the seminar, Souleymane Cissé from Senegal said his participation in the seminar was a great learning opportunity: “I came back from Brazil with a head full of new ideas and insights. Surely this will also inspire our own work in Senegal in the future”.

Read more:

Categories: agroecologia Tags: ,

Agroecologia deve entrar na agenda

5, junho, 2012 Sem comentários

Por Giselle Paulino | Para o Valor, de São Paulo

29/05/2012

A agricultora gaúcha Rosiele Cristiane Luttki, 34 anos, trabalhou toda a sua vida no campo. Para saber o que ia plantar costumava observar os sinais da natureza, assim como faziam seu pai e seu avô. Dependendo do jeito que o sol nascia e da posição do vento, sabia se ia chover ou não. “Se dava três dias de vento na nascente, sabia que vinha chuva. Se no final da tarde o sol entrasse na cor laranja, sabia que no dia seguinte dava para trabalhar”, lembra. “A gente seguiu esses sinais a vida toda. Mas hoje em dia está tudo bagunçado.”

Rosiele plantou fumo durante 15 anos e trabalha para diversificar sua produção. No entanto, com a seca que afeta o Sul, apesar de ter plantado milho e feijão, nada colheu. E os problemas não acabaram por aí. Rosiele tem dívidas para pagar. A agricultora está devendo R$ 2.600 por conta das sementes que comprou. Não recebeu o seguro do Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro), pois não conseguiu plantar toda a sua área, conforme manda o programa, e ainda precisa pagar cinco parcelas anuais de R$ 1.800 referentes ao investimento em equipamentos de irrigação feito pelo Pronaf.

Num cenário de incertezas, os chamados sistemas agroecológicos aparecem como uma alternativa mais sustentável para o agricultor. “Queremos deixar a forma de produção convencional e fazer a transição para a agroecologia, que inclui adubação verde, policultivo e uso da própria semente”, diz.

“Quem mora no campo já sente os efeitos das mudanças climáticas há pelo menos dez anos”, diz frei Sérgio Gorgen, representante do Movimento dos Pequenos Agricultores, ligado a Via Campesina. Segundo ele, o Rio Grande do Sul vive uma de suas piores estiagens. “A última chuva na região foi no mês de novembro. Agora já vai entrar novamente o período de inverno e mais uma seca”, diz.

“Tínhamos a percepção de que essas mudanças iriam demorar muito para chegar. Mas hoje em dia quem está no campo já sente na pele o que está acontecendo”, diz Rosicléia dos Santos, secretária de Meio Ambiente da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag). As áreas mais afetadas, segundo ela, são as regiões Norte e Nordeste do país. Em algumas regiões do semiárido do Nordeste não chove há dois anos. Essas áreas já enfrentam problemas de desertificação.

“No entanto, é preciso mudar o sistema de produção e fazer políticas que alcancem os pequenos agricultores”, diz Rosicléia. Ao lado da Articulação Nacional de Agroecologia (ANA), a Contag e outros movimentos de pequenos agricultores levaram propostas para o governo para a elaboração da Política Nacional de Agroecologia que deve ser lançada durante a Rio+20.

“O Brasil investiu muito cedo na expansão do modelo de agricultura convencional que utiliza fertilizantes químicos e agrotóxicos no controle de pragas”, afirma Flávia Londres, agrônoma da Esalq, que assessora ONGs e movimentos sociais em assuntos ligados à agrobiodiversidade. “Por outro lado, nenhuma política foi criada para incentivar sistemas de produção mais harmônicos, como a agroecologia”, diz.

Segundo Paulo Guilherme, secretário de extrativismo e desenvolvimento rural do Ministério do Meio Ambiente, o conteúdo da Política Nacional de Agroecologia ainda está em discussão, mas o governo trabalha com o horizonte de apresentá-la durante a reunião. A política deve prever financiamento, abertura de mercados e formas de incentivo para fazer a transição para o novo sistema. As medidas que compõem o plano de implementação devem ser estabelecidas até 2014.

Sistemas de irrigação e crédito sempre foram as grandes demandas. Segundo frei Sérgio, “o governo precisa deixar de estimular as monoculturas e aumentar o crédito para a agroecologia.”

 

Leia mais em:

http://www.valor.com.br/especiais/2679828/agroecologia-deve-entrar-na-agenda#ixzz1wuoIhNZr

Categories: agroecologia Tags: , ,

A publicidade por trás da semente tolerante à seca

14, fevereiro, 2012 Sem comentários

www.radioagencianp.com.br | 14/02/12

“Em todos os países onde a Monsanto conseguiu impor as sementes transgênicas, as sementes convencionais foram rapidamente sumindo do mercado.”

(3’03” / 363 Kb) – No final de dezembro de 2011 o Departamento de Agricultura do governo dos Estados Unidos (EUA) autorizou, pela primeira vez, o plantio comercial de uma variedade de milho da Monsanto geneticamente modificada para suportar condições de seca. Trata-se de uma promessa antiga das empresas de biotecnologia, mas cuja obtenção envolve um processo genético complexo e difícil de ser controlado.

Mas informações obtidas no relatório de avaliação do próprio Departamento de Agricultura que autorizou o novo milho demonstram que ele, na verdade, não funciona. Lá está escrito que a tolerância à seca conferida pelo novo milho transgênico é igual à tolerância já verificada nas variedades de milho produzidas através de técnicas convencionais de melhoramento genético.

Essa nova autorização para a variedade da Monsanto que é tão tolerante à seca quanto às similares convencionais que já existem poderia parecer inócua não fosse um pequeno detalhe: essa empresa detém o quase monopólio do mercado de sementes. Em todos os países onde a Monsanto conseguiu impor as sementes transgênicas, as sementes convencionais foram rapidamente sumindo do mercado, e muitos agricultores acabam adotando as sementes transgênicas simplesmente porque não encontram outras para comprar. Da mesma maneira, com a aprovação do novo milho transgênico tolerante a seca, é muito provável que em pouco tempo as variedades convencionais com a mesma característica, que não são patenteadas e nem implicam no pagamento de royalties, comecem também a desaparecer.

Daí vem a segunda implicação da nova autorização: assim que as sementes convencionais tolerantes à seca sumirem e a adoção da opção transgênica se generalizar, a Monsanto começará a anunciar o “sucesso” de sua tecnologia, o que a ajudará a  rebater a crítica de que, passados quase vinte anos desde que as sementes transgênicas começaram a ser cultivadas, a chamada “engenharia genética” não conseguiu cumprir suas promessas e desenvolver as famosas  plantas mais produtivas, mais nutritivas e, sobretudo, tolerantes aos solos salinos e à seca. Até agora, tudo isso era mero discurso.

Aqui está talvez o principal sentido dessa autorização: funcionando ou não, a nova variedade logo permitirá à Monsanto alardear os supostos benefícios da biotecnologia para a produção de alimentos em tempos de mudanças climáticas.

Flavia Londres é engenheira agrônoma e consultora da AS-PTA Agricultura Familiar e Agroecologia.

Confira aqui o texto na íntegra.

Categories: empresas, transgênicos Tags: , ,

Boletim 472

11, janeiro, 2010 Sem comentários

###########################

POR UM BRASIL LIVRE DE TRANSGÊNICOS

###########################

Número 472 – 08 de janeiro de 2010

Car@s Amig@s,

Um feliz 2010, com menos transgênicos e menos aquecimento global!

Monsanto: estrela no mundo dos negócios, mas eleita a maior vilã do clima

A revista americana de negócios e finanças Forbes elegeu a Monsanto “empresa do ano de 2009”. Conforme adiantou a Folha Online em 31/12 (repercutindo notícia da EFE de Nova York), a edição da revista que chegará às bancas em 18 de janeiro contém um artigo (já disponível na internet) que justifica a escolha citando os estrondosos lucros da empresa e os avanços em bioengenharia que, segundo a publicação, ajudarão a alimentar a crescente população mundial. Leia mais…

Categories: editorial, empresas Tags: ,