Arquivo

Textos com Etiquetas ‘Paraíba’

Não planto transgênicos para não apagar minha história

7, setembro, 2016 Sem comentários

Estudo da Embrapa avalia desempenho de sementes crioulas e comerciais de feijão macassar na Paraíba

23, junho, 2016 Sem comentários

Embrapa_feijao_macassar2016

A Embrapa acaba de publicar Comunicado Técnico com resultados que reafirmam a superioridade das variedades crioulas, inclusive em produtividade, quando comparadas a variedades convencionais. O estudo avaliou em condições reais de cultivo variedades crioulas e melhoradas de feijão macassa e foi realizado no Agreste da Paraíba a partir de parceria da Embrapa com a AS-PTA e o Polo da Borborema.

Entre as variedades melhoradas estão duas que foram desenvolvidas para a região amazônica mas curiosamente foram distribuídas pelo governo para plantio no semiárido.

Em pesquisa anterior, a mesma parceria confirmou a campo a superioridade e maior adaptação das variedades locais das sementes da paixão de milho.

Nenhum dos dois estudos têm como objetivo negar a importância das variedades melhoradas. Pelo contrário, há muitos materiais melhorados, das mais diferentes espécies, com bom potencial e boa adaptação que podem contribuir para a produção dos agricultores familiares. O que o resultado do estudo permite concluir é que as sementes crioulas são sim sementes de qualidade e não podem ser preteridas em programas públicos nem simplesmente substituídos por outras ditas modernas.

O estudo está disponível em: http://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/144055/1/cot-186.pdf

::

Articulação do Semiárido – Paraíba

21, junho, 2016 Sem comentários

ASA_PB

Agricultores do Polo da Borborema lançam Programa de variedades crioulas

7, junho, 2013 Sem comentários

Cerca de 120 agricultoras e agricultores de 14 municípios da região da Borborema e representantes da Rede Sementes da ASA Paraíba, participaram neste dia 23 de maio, do lançamento do Programa de Sementes da Paixão do Polo da Borborema. O evento foi promovido pela Comissão de Sementes do Polo da Borborema em parceria com a AS-PTA Agricultura familiar e Agroecologia. O lançamento aconteceu na sede do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Queimadas.

Assistam às matérias:

http://vimeo.com/67578611

http://vimeo.com/67581576

http://vimeo.com/67586698

http://vimeo.com/67588941

Pesquisa e Política de Sementes no Semiárido Paraibano

15, maio, 2013 Sem comentários

Clique na imagem para obter o relatório da pesquisa realizada pela Embrapa Tabuleiros Costeiros, UFPB e ASA-PB

logo semente da paixão

Mulheres marcham na Paraíba contra a violência e pela agroecologia

14, março, 2013 Sem comentários

Polo Sindical e das Organizações da Agricultura Familiar da Borborema e AS-PTA acreditam que a superação das desigualdades entre homens e mulheres e a violência, como expressão mais cruel dessas desigualdades, constituem um caminho para que a agricultura familiar de base ecológica se consolide como modo de produção e de vida para as famílias agricultoras.

Reportagem da TV Cultura

VTS 01 1~3 from AS-PTA on Vimeo.

Categories: agroecologia, video Tags: ,

Assembléia Legislativa da Paraíba cria dia estadual de combate ao uso de agrotóxico

5, junho, 2012 1 comentário

 

 ESTADO DA PARAÍBA

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DA PARAÍBA

GABINETE DO DEPUTADO ESTADUAL FREI ANASTÁCIO – PT

Assessoria de Imprensa – 083-3214-4522/9151-6000

www.freianastacio.com.br/E-mail:assessoria@freianastacio.com.br

31-05-2012

Assembléia aprova criação do dia estadual

de combate ao uso de agrotóxico

 

A Paraíba terá um dia estadual de combate ao uso de agrotóxico. O projeto, de autoria do deputado estadual Frei Anastácio (PT), que institui a data, foi aprovado por unanimidade pela Assembléia Legislativa e falta agora ser sancionado pelo governador do estado. “O país já ultrapassou a marca de um milhão de toneladas de agrotóxicos vendidas. Isso representa cinco quilos e duzentos gramas de veneno por habitante, no Brasil”, disse Frei Anastácio.

O petista explica que o dia 19 de março tem como representação simbólica o dia de São José como um marco. Nesse dia, os agricultores do Nordeste esperam a chuva para começar a plantar. “Dessa forma, existe toda uma mística de esperança, envolvendo essa data, e por isso será oportuna para o dia de combate a intoxicação por agrotóxicos”, afirma o parlamentar.

O projeto determina que as escolas públicas estaduais poderão promover atividades culturais e debates, tendo em vista o incentivo à agricultura orgânica, divulgação de métodos alternativos que combatam as pragas prejudiciais à lavoura. “A iniciativa de apresentarmos esse projeto veio através de sugestões dos agricultores familiares, coordenados pela Asa – Articulação do Semi-árido -, que praticam agricultura orgânica, usando inseticidas naturais”, disse Frei Anastácio.

O parlamentar destaca que é importante rememorar que o uso indiscriminado de venenos no controle de pragas e doenças das lavouras, acontece há mais de meio século, substâncias, até então utilizadas como armas químicas durante as grandes guerras mundiais, passaram a ser utilizadas no combate às pragas das culturas agrícolas mundiais.

“Como em todo o mundo, o nosso País não fugiu aos apelos da indústria dos agrotóxicos, rendeu-se às justificativas da modernização da agricultura e de isenção fiscal, baseada na combinação de insumos químicos. Nos últimos anos, houve grande crescimento na utilização de agrotóxicos no Brasil, o que tem sido associado ao aumento vertiginoso dos riscos de contaminação prejudiciais à saúde e ao equilíbrio ambiental”, alertou.

Frei Anastácio relata que, na última década, o mercado brasileiro de agrotóxicos tornou-se o maior do mundo, e o faturamento com a venda de venenos agrícolas saltou de pouco mais de US$2 bilhões  para US%7 bilhões. “Os chamados pesticidas ou praguicidas são algumas das ameaças à saúde da população, principalmente dos trabalhadores que, no campo ou na indústria, estão expostos, diariamente, aos venenos”,concluiu.

 

Categories: agrotóxicos Tags:

Agricultores do agreste da Paraíba recusam as sementes distribuídas pelo governo

25, abril, 2012 Sem comentários

G1, 25/04/2012 (confira o vídeo da reportagem)

Produtores dizem que sementes não são próprias para o clima da região.

Grãos apresentam produção bem abaixo do esperado.

Os agricultores do agreste da Paraíba recusaram as sementes distribuídas pelos programas do governo. Eles dizem que elas não são próprias para o clima da região.

O banco de sementes da cidade de Solânea, no brejo da Paraíba, tem milho, feijão e fava, variedades plantadas há décadas na região, o que fez com que os grãos doados pelo governo fossem recusados.

Segundo os agricultores, as sementes da maioria dos programas federais e estaduais são de outras regiões do país e não se adaptam ao clima do semi-árido, apresentando uma produção bem abaixo do esperado. O agricultor Antônio Albino aguarda a chegada da chuva para começar a plantar e só vai usar as sementes produzidas por ele.

O Projeto de Armazenagem dos Grãos, que existe há quase 40 anos em algumas regiões da Paraíba, é chamado de Sementes da Paixão por seu valor. O agricultor Joaquim Santana considera importante o apoio dos governos desde que conheçam e trabalhem de acordo com a realidade de cada região.

A Secretaria de Agricultura da Paraíba informou que elabora um projeto para cultivar as sementes na própria região onde serão plantadas. Deve ser feito um acordo com donos de áreas de cana-de-açúcar para alugar as terras no período de entressafra e produzir as sementes.

::

Veja também:

Indignação dos guardiões das sementes

Agricultores do Polo da Borborema se recusam a receber sementes do governo na Paraíba

Polo da Borborema lança Programa de Sementes da Paixão para o ano 2012

Categories: agroecologia, governos Tags: ,

Pesquisa comprova qualidade das sementes da paixão

25, agosto, 2010 Sem comentários

Dois ensaios comparativos foram implantados no município de Juazeirinho, região do Cariri, com 10 variedades de sementes crioulas de milho e duas desenvolvidas pela Embrapa (milho catingueiro e 1051).

Os primeiros resultados revelaram que mesmo com pouca chuva (cerca de 250 mm) as sementes de paixão tiveram melhor desempenho que as variedades melhoradas testadas.

Para estabelecer os parâmetros de comparação, agricultores foram consultados e elencaram os critérios que julgam mais importantes, como: quantidade de palha (utilizada para alimentar animais), produção de grãos, qualidade das espigas, altura das plantas e diâmetro do caule (pensando no consórcio com outras culturas), peso da espiga, entre outros. Em todos esses critérios o comportamento das variedades crioulas superou o das sementes melhoradas.

Na Paraíba, as sementes tradicionais, ou crioulas, receberam o nome de Sementes da Paixão por serem fruto de uma longa trajetória de experimentação.

Reportagem completa e apresentação com os dados preliminares dos ensaios estão disponĩveis na página da AS-PTA.