Página Inicial > transgênicos > SERALINI E CIÊNCIA: CARTA ABERTA

SERALINI E CIÊNCIA: CARTA ABERTA

http://independentsciencenews.org/health/seralini-and-science-nk603-rat-study-roundup/#more-1087

Gilles-Eric Seralini, coordenador do estudo

 

Tradução: Paulo Cezar Mendes Ramos; Analista ambiental/ICMBio; Membro da CTNBio; e Coordenador do GT sobre transgênicos e agrotóxicos da ABA

 

Um novo estudo do grupo francês de Gilles-Eric Seralini descreve efeitos nocivos em ratos alimentados com dietas contendo milho geneticamente modificado (variedade NK603), com e sem o herbicida Roundup, bem como com o Roundup sozinho. Este estudo “peer-reviewed” (Seralini et al., 2012), tem sido criticado por alguns cientistas cujas opiniões têm sido amplamente relatadas na imprensa popular (Carmen, 2012; Mestel, 2012; Revkin, 2012; Worstall, 2012).

Seralini et al. (2012) estende o trabalho de outros estudos demonstrando toxicidade e/ou impactos endócrinos-baseado do Roundup (Gaivão et al., 2012; Kelly et al., 2010; Paganelli et al., 2010; Romano et al., 2012), como revisto por Antoniou et al. (2010).

A publicação de Seralini e sua repercussão na mídia levantam o perfil dos desafios fundamentais da ciência em um mundo cada vez mais dominado pela influência corporativa. Estes desafios são importantes para toda a ciência, mas raramente são discutidos em espaços científicos.

1) História de Ataques sobre os Estudos de Riscos

Seralini e seus colaboradores são apenas os mais recentes em uma série de pesquisadores cujas conclusões provocaram campanhas orquestradas de assédio. Exemplos de Ignacio Chapela apenas nos últimos anos, um Professor Assistente, então não vitalício em Berkeley, cujo estudo sobre contaminação do milho GM no México (Quist e Chapela, 2001) provocou uma campanha intensiva na internet para desacreditá-lo. Esta campanha foi declaradamente planejada pelo grupo Bivings, uma empresa especializada em relações públicas de Marketing Viral – e frequentemente contratada pela Monsanto (Delborne, 2008).

A distinta carreira de bioquímico Arpad Pusztai chegou a um efetivo fim quando ele tentou comunicar suas conclusões contraditórias sobre batatas GM (Ewen e Pusztai, 1999a). Tudo a partir de uma ordem de mordaça, forçado a aposentadoria, apreensão de dados e assédio pela British Royal Society foram usados para prevenir a sua pesquisa contínua (Ewen e Pusztai, 1999b; Leandro, 2003). Até mesmo ameaças de violência física têm sido utilizadas, mais recentemente, contra Andres Carrasco, Professor de embriologia Molecular na Universidade de Buenos Aires, cuja pesquisa  (Paganelli et al., 2010)  identificou riscos do Glifosato para a saúde, o ingrediente ativo do Roundup (Amnistia Internacional, 2010).

Não foi nenhuma surpresa, portanto, que, quando em 2009, 26 entomologistas especializados em milho tomaram a iniciativa sem precedentes de escrever diretamente para a Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos – EPA para reclamar do controle da indústria sobre o  acesso a culturas geneticamente modificadas para investigação, a carta foi enviada anonimamente (Pollack, 2009).

2) O Papel dos Meios de Comunicação de Ciência

Um aspecto importante, mas muitas vezes despercebido desta intimidação é que frequentemente ocorre em conjunto com os meios de divulgação científica (Ermakova, 2007; Heinemann e Traavik, 2007; Latham e Wilson, 2007). Relatórios do estudo de Seralini indiscutivelmente no mais prestigiado segmento dos meios de comunicação de ciência: Science, The New York Times, New Scientist e o Washington Post uniformemente falharam ao “balancear” as críticas da pesquisa, com a cobertura mesmo mínima de suporte para o estudo de Seralini (Carmen, 2012; Enserink, 2012; MacKenzie, 2012; Pollack, 2012). No entanto, menos dotada de meios de comunicação, tais como Daily Mail UK pareceu não ter nenhuma dificuldade em encontrar um parecer científico positivo sobre o mesmo estudo (Poulter, 2012).

3) Relatórios Enganosos da Mídia

Um padrão chave com estudos de pesquisa de risco é que as críticas nos meios de comunicação são, muitas vezes, falácias, enganosas ou falsas. Assim, o uso de metodologias comuns foi interpretado como indicativo de ciência de má qualidade quando usado por Seralini et al. (2012), mas não quando utilizados pela indústria (ver referências acima e Media Centre, 2012). O uso de argumentos falaciosos parece se destinar a semear a dúvida e a confusão entre os não-especialistas. Por exemplo, Tom Sanders do Kings College, em Londres foi citado dizendo que “esta cepa de rato é muito propensa a tumores mamários, particularmente quando a ingestão de alimentos não é restrito” (Hirschler e Kelland, 2012). Ele falhou em apontar, ou desconhecia, que a maioria dos estudos de alimentação realizados pela indústria usaram ratos Sprague Dawley (p. ex. Hammond et al., 1996, 2004, 2006; MacKenzie et al., 2007). Nestes e em outros estudos da indústria (p. ex. Malley et al. 2007), o consumo de ração foi irrestrito. Comentários de Sanders são importantes porque eles foram amplamente citados e porque eram parte de uma resposta orquestrada para o estudo de Seralini pelo Science Media Centre of the British Royal Society (Centro de Mídia de Ciência da Real Sociedade Britânica). Este Centro tem uma longa história de sufocar as controvérsias sobre OGM e seus financiadores e inclui numerosas empresas que produzem OGMs e pesticidas.

4) Culpabilidade do Regulador

No nosso ponto de vista uma grande parte da falha encontra-se nos órgãos reguladores, como EFSA na Europa e EPA e FDA nos Estados Unidos, que têm consagrado protocolos com pouco ou nenhum potencial para detectar as consequências negativas de OGM (Schubert, 2002; Freese e Schubert, 2004; Pelletier, 2005). (Obviamente a CTNBio se enquadra nesta questão – nota do tradutor)

Os OGM são obrigados a passar por alguns experimentos, poucos pontos são examinados e os testes são realizados exclusivamente pelo requerente ou seus agentes. Além do mais, os protocolos atuais são mais simplistas e mais baseados em suposições (RSC, 2001), os quais pela sua concepção, perdem a maioria das alterações de expressão do gene – distante do objetivo do experimento – induzido pelo processo de inserção do transgene (Heinemann et al., 2011; Schubert, 2002).

Puzstai (2001) e outros, por conseguinte, têm argumentado que ensaios de alimentação bem conduzidos são uma das melhores maneiras de detectar tais mudanças imprevisíveis. Mas esses ensaios de alimentação não são obrigatórios para aprovação, e a credibilidade científica daqueles que tenham sido publicados até a data têm sido desafiados (Domingo, 2007; Pusztai et al., 2003; SPIROUX de Vendômois et al., 2009). Por exemplo, Snell et al. (2012), que avaliou a qualidade de 12 a longo prazo (> 96 dias) e 12 estudos de várias gerações, concluíram: “os estudos aqui analisados são muitas vezes ligados a um projeto experimental inadequado que tem efeitos prejudiciais para a análise estatística… as principais insuficiências incluem não só a falta de utilização de linhas isogénicas próximas mas também subestimação do poder estatístico [e], ausência de repetições…”.

Aparentemente, os mesmos problemas de desenho experimental e análise levantadas sobre este estudo de risco (Seralini) não foram motivo de preocupação para os críticos quando os estudos não identificaram risco, resultando em decisores mal informados. No final, é um grande problema para a ciência e a sociedade atuais quando os atuais protocolos regulamentadores aprovam culturas OGM com base em pouco ou nenhum dado útil sobre a qual se avalia a segurança.

5) Ciência e Política

Governos têm se tornado habituais a usar a ciência como uma política de futebol. Por exemplo, em um estudo realizado pela sociedade real do Canadá, a pedido do governo canadense, foram identificados inúmeros pontos fracos do Regulamento de Engenharia Genética no Canadá (RSC, 2001). O fracasso do governo canadense em responder significativamente às muitas alterações recomendadas foi detalhado por Andree (2006). Da mesma forma, as recomendações de especialistas no relatório do IAASTD, produzido por 400 pesquisadores por seis anos, de que os OGMs são inadequados para a tarefa de promover a agricultura global foram decididamente ignoradas pelos gestores políticos. Assim, enquanto proclamam a tomada de decisão baseada em evidências, os governos frequentemente usam a ciência apenas quando lhes convém.

6) Conclusão

Quando aqueles com interesse tentam semear dúvida insensata em torno de resultados inconvenientes, ou quando os governos exploram oportunidades políticas escolhendo e colhendo provas científicas, comprometem a confiança dos cidadãos nas instituições e métodos científicos e também colocam seus próprios cidadãos em risco. Testes de segurança, regras basedas em ciência e o processo científico em si dependem crucialmente da confiança difundida por um corpo de cientistas dedicados ao interesse público e integridade profissional. Se em vez disso o ponto de partida de uma avaliação científica do produto é um processo de aprovação manipulado em favor da recorrente, apoiada por supressão sistemática de cientistas independentes, trabalhando no interesse público, então não pode haver um debate honesto, racional ou científico.

Os Autorea: Susan Bardoscz (4, Arato Street, Budapest, 1121 Hungary); Ann Clark (University of Guelph, ret.); Stanley Ewen (Consultant Histopathologist, Grampian University Hospital); Michael Hansen (Consumers Union); Jack Heinemann (University of Canterbury); (Jonathan Latham (The Bioscience Resource Project); Arpad Pusztai (4, Arato Street, Budapest, 1121 Hungary); David Schubert (The Salk Institute); Allison Wilson (The Bioscience Resource Project) .

Se quiser que o seu nome seja adicionado a esta lista, envie um e-mail para isneditor@bioscienceresource.org  e  com “Carta para Seralini” no título, providenciando sua afiliação se desejar.

Notas

(1) Além disso, os cientistas dos EUA que publicam estudos encontram efeitos ambientais adversos são frequentemente atacados por outros cientistas pró-GM.  Como um relatório na revista Nature, que aborda inúmeros exemplos, ressalta, “trabalhos sugerindo que lavouras biotecnológicas podem prejudicar o meio ambiente atraem uma saraivada de abuso de outros cientistas. Por trás dos ataques se encontram os cientistas que estão determinados a impedir que documentos que considerem ter falhas científicas influenciem os decisores políticos. Quando estudo aponta que existem problemas, reagem rapidamente, criticam o trabalho em fóruns públicos, escrevem cartas de refutação e enviam-nos para os gestores políticos, editores de jornal e agências de financiamento “(p. 27 em Waltz. 2009ª). Na verdade, quando um de nós escreveu um comentário na Nature Biotechnology há dez anos sugerindo que mais atenção teria de ser prestada para os potenciais efeitos indesejados associados à mutagênese insercional, recebemos uma enxurrada de respostas, e um administrador no Instituto de Salk ainda disse que a publicação “estava comprometendo recursos para sua instituição” (veja em Waltz, 2009a). Ataques semelhantes têm recebido estudos sobre efeitos adversos das toxinas de Bt em joaninhas e larvas de Crisopídeos, que foram utilizadas pelas autoridades alemãs para proibir o cultivo do evento transgênico Mon810, uma variedade de milho Bt (ver: 2012a Hilbeck et al., b, respectivamente). Em 2009, um grupo de 26 entomologistas de milho do setor público enviou uma carta para a Agência de Proteção Ambiental dos EUA afirmando que “nenhuma pesquisa verdadeiramente independente pode ser legalmente realizada em muitas questões críticas que envolvem estas culturas [devido a restrições impostas a empresa]” (p. 880 em Waltz, 2009b); não foi nenhuma surpresa que a carta tenha sido enviada anonimamente devido ao temor dos cientistas de receber represálias das empresas que financiaram seu trabalho (Pollack, 2009). Além disso, o controle da indústria sobre as que pesquisas significa que resultados adversos podem ser suprimidos. Em um exemplo citado no artigo, Pioneer estava desenvolvendo uma toxina Bt binária, Cry34Ab1/Cry35Ab1, contra a larva de raiz de milho. Em 2001, Pioneer contratou alguns laboratórios universitários para testar efeitos indesejados em uma joaninha. Os laboratórios concluiram que 100% das joaninhas morreram após oito dias de alimentação. A Pioneer proibiu os investigadores de divulgar os dados. Dois anos depois a Pioneer recebeu aprovação para uma variedade de milho Bt com Cry34Ab1/Cry35Ab1 e apresentou estudos mostrando que joaninhas alimentadas com a toxina por apenas 7 dias não foram prejudicados. Os pesquisadores não tiveram autorização para refazer o estudo após a aprovação da semente (Waltz, 2009b). Em outro exemplo, a Dow AgroSciences ameaçou um pesquisador com uma ação legal se publicasse informações que ele recebeu da Agência de Proteção Ambiental – EPA dos EUA. Como diz o artigo, “as informações consideraram uma variedade de milho resistente a inseto conhecido como TC1507, feito por Dow e Pioneer. As empresas suspenderam as vendas  do TC1507 em Porto Rico depois de descobrir em 2006 que uma lagarta tinha desenvolvido resistência. Tabashnik foi capaz de rever o relatório que as empresas arquivaram com a EPA, mediante a apresentação de um requerimento baseado na Lei de Liberdade de Informação. “Encorajei um funcionário da empresa [Dow] para publicar os dados e mencionei que, em alternativa, poderíamos citá-los,” diz Tabashnik. “Ele me disse que se eu citasse as informações…”Eu estaria sujeito a ação judicial pela empresa, diz ele. “Esses tipos de afirmações são de arrepiar” (p. 882 em Waltz, 2009b).

Referências

Amnesty International. 2010. Argentina: Threats deny community access to research UA: 173/10 Index: AMR 13/005/2010 Argentina Date: 12 August 2010

Andree, Peter. 2006. An analysis of efforts to improve genetically modified food regulation in Canada. Science and Public Policy 33(5):399-389.

Antoniou, Michael., Paolo Brack, Andres Carrasco, John Fagan, Mohamed Habib, Paolo Kageyama, Carlo Leifert, Rubens Nodari, Walter Pengue. 2010. GM Soy: Sustainable? Responsible? GLS Gemeinschaftsbank and ARGE Gentechnik-frei.

Carmen, Tim. 2012. French scientists question safety of GM corn. Washington Post 19 Sept 2012.

Delborne, Jason. 2008. Transgenes and transgressions: scientific dissent as heterogeneous practice. Social Studies of Science 38(4):509-541

Domingo, Jose L. 2007. Toxicity studies of genetically modified plants: a review of the published literature. Crit. Rev. Food Sci. Nutr. 47:721–733

Enserink, Martin. 2012. France and European Commission order review of controversial GM study in rats. ScienceInsider 21 Sept 2012

Ermakova, Irina. 2007. GM soybeans: revisiting a controversial format. Nature Biotech 25:1351-1354

Ewen, Stanley W.B. and Arpad Pusztai. 1999a Effect of diets containing genetically modified potatoes expressing Galanthus nivalis lectin on rat small intestine. The Lancet 354 (9187):1353-1354

Ewen, Stanley W.B. and Arpad Pusztai. 1999b. Health risks of genetically modified foods. The Lancet 354(Issue 9179):684.

Freese, W. and D. Schubert. 2004. Safety Testing and Regulation of Genetically Engineered Foods. Biotechnol Genet Eng Rev 21:299-324

Gaivão I, Guilherme S, M.A. Santos MA, M. Pacheco. 2012. DNA damage in fish (Anguilla anguilla) exposed to a glyphosate-based herbicide — elucidation of organ-specificity and the role of oxidative stress. Mutat Res 18;743(1-2):1-9.

Hammond, Bruce, John L Vicini, Cary F. Hartnell, Mark W. Naylor, Christopher D. Knight, Edwin H. Robinson, Roy L. Fuchs and Stephen R. Padgette. 1996. The feeding value of soybeans fed to rats, chickens, catfish and dairy cattle is not altered by genetic incorporation of glyphosate tolerance. J. Nutr. 126:717-272

Hammond, B., R. Dudek, J. Lemen, M. Nemeth. 2004. Results of a 13 week safety assurance study with rats fed grain from glyphosate tolerant corn. Food Chem Toxicol 42:1003–1014

Hammond, B., R. Dudek, J. Lemen, M. Nemeth. 2006. Results of a 90-day safety assurance study with rats fed grain from corn borer-protected corn. Food Chem Toxicol 44:1092–1099

Heinemann, J.A. and Traavik, T. 2007. GM soybeans—revisiting a controversial format. Nature Biotech 25: 1355-1356

Heinemann, J. A., B. Kurenbach, B. and D. Quist. 2011. Molecular profiling — a tool for addressing emerging gaps in the comparative risk assessment of GMOs. Env. Int. 37: 1285-1293.

Hilbeck, A., J.M. McMillan, M. Meier, A. Humbel, J. Schläpfer-Miller and M. Trtikova. 2012. A controversy revisited: Is the coccinellid Adalia bipunctata adversely affected by Bt toxins? Environmental Sciences Europe, 24:10

Hilbeck, A., M. Meier and M. Trtikova. 2012. Underlying reasons of the controversy over adverse effects of Bt toxins on lady beetle and lacewing larvae.  Environmental Sciences Europe, 24:9.

Hirschler, Ben and Kate Kelland. 2012. Study on Monsanto GM corn concerns draws skepticism. Reuters: Ed UK 20 Sept 2012

Kelly, David, Robert Poulin, Daniel M. Tompkins and Colin R. Townsend. 2010. Synergistic effects of glyphosate formulation and parasite infection on fish malformations and survival. J. Appl. Ecol. 47(2): 498-504

Laidlaw, Stuart. 2003. Ch. 4 What’s Good for GM. In: Secret Ingredients. McClelland and Stewart Ltd., Toronto.

Latham, Jonathan and Allison Wilson. 2007. What is Nature Biotechnology good for? Independent Science News 4 Dec 2007.

MacKenzie, Debora. 2012. Study linking GM crops and cancer questioned. New Scientist 19 Sept 2012.

MacKenzie and 12 others. 2007. Thirteen week feeding study with transgenic maize grain containing event DAS-Ø15Ø7-1 in Sprague–Dawley rats. Food Chem. Toxicol. 45:551–562

Malley and 14 others. 2007. Subchronic feeding study of DAS-59122-7 maize grain in Sprague-Dawley rats. Food Chem. Toxicol. 45:1277–1292

Mestel, Rosie. 2012. Study points to health problems with genetically modified foods. LA Times 20 Sept 2012

Paganelli, Alejandra, Victoria Gnazzo, Helena Acosta, Silvia L. Lopez, and Andres E. Carrasco. 2010. Glyphosate-based herbicides produce teratogenic effects on vertebrates by impairing retinoic acid signaling. Chem. Res. Toxicol. 23(10):1586–1595

Pelletier, D. 2005. Science, Law, and Politics in the Food and Drug Administration’s Genetically Engineered Foods Policy: FDA’s 1992 Policy Statement. Nutr. Rev. 63:171-181

Pollack, Andrew. 2009. Crop scientists say biotechnology seed companies are thwarting research. New York Times 19 Feb 2009.

Pollack, Andrew. 2012. Foes of modified corn find support in a study. New York Times 19 Sept 2012.

Poulter, Sean. 2012. Cancer row over GM foods as study says it did THIS to rats… and can cause organ damage and early death in humans. Mail OnLine 19 Sept 2012.

Pusztai, Arpad. 2001. Genetically Modified Foods: Are They a Risk to Human/Animal Health? American Institute of Biological Sciences

Pusztai, A,, S. Bardosz, and S.W.B. Ewen. 2003. Ch. 16. Genetically Modified Foods: Potential Human Health Effects. pp. 347-372. In: J.P.F. D’Mello (ed) Food Safety: Contaminants and Toxins. CAB International 472 pp.

Quist, David and Ignacio Chapela. 2001. Transgenic DNA introgressed into traditional maize landraces in Oaxaca, Mexico. Nature 414 (6863): 541–543

Revkin, Andrew. 2012. Single-Study Syndrome and the G.M.O. Fight. New York Times 20 Sept 2012 HYPERLINK ”” http://dotearth.blogs.nytimes.com/2012/09/20/the-gmo-food-fight-rats-cancer-and-single-study-syndrome/

Romano M.A., R.M. Romano, L.D. Santos, P. Wisniewski, D.A. Campos, P.B. de Souza, P. Viau, M.M. Bernardi, M.T. Nunes, C.A. de Oliveira. 2012. Glyphosate impairs male offspring reproductive development by disrupting gonadotropin expression. Arch. Toxicol. 86(4):663-73.

RSC (Royal Society of Canada). 2001. Elements of Precaution: Recommendations for the Regulation of Food Biotechnology In Canada

Science Media Centre. 2012. Study on cancer and GM maize – experts respond. Posted 20 Sept 2012.

Schubert, David. 2002. A different perspective on GM food. Nature Biotech. 20: 969

Séralini, G-E., E. Clair, R. Mesnage, S. Gress, N. Defarge, M. Malatesta, D. Hennequin, J. Spiroux de Vendômois. 2012. Long term toxicity of a Roundup herbicide and a Roundup-tolerant genetically modified maize. Food Chem. Toxicol.

Snell, C., A. Bernheim, J-B. Berge, M. Kuntz, G. Pascal, A. Paris, and A.E. Ricroch. 2012. Assessment of the health impact of GM plant diets in long-term and multigenerational animal feeding trials: A literature review. Food Chem. Toxicol. 50:1134-1148

Spiroux de Vendômois, J., F. Roullier, D. Cellier, and G.-E. Séralini. 2009. A Comparison of the Effects of Three GM Corn Varieties on Mammalian Health. Int. J. Biol. Sci. 5(7):706–726

Waltz, E. 2009a. Battlefield. Nature 461: 27-32.

Waltz, E. 2009b. Under Wraps. Nature Biotechnology 27(10): 880-882.

Worstall, Tim. 2012. Proof Perfect That The Seralini Paper On GM Corn And Cancer In Rats Is Rubbish. Forbes 21 Sept 2012.

Categories: transgênicos Tags: ,
  1. Carlos
    13, outubro, 2012 em 18:35 | #1

    Carta aberta apoiada! Tem que se deter o avanço silencioso e perigoso dos transgênicos e das coporações que visam só o lucro e não a saúde das pessoas!

  2. Dani
    12, outubro, 2012 em 21:42 | #2

    É claro que não é pessoal. Assim como a carta aberta também não o é. A carta utiliza o estudo de Gilles-Eric Seralini para exemplificar o que ocorre quando pesquisas mostram os resultados negativos dos transgênicos.
    Como aconteceu neste e outros casos, vários cientistas que se dizem independentes, (mas que, em geral, apresentam estreita relação com empresas de biotecnologia ou interesses na área) desatam a criticar ferozmente cada detalhe do trabalho. Tentam desmerecer os pesquisadores, que passam a ser tratados como idealistas, catastróficos, alarmistas, sensacionalistas, enfim, não dignos de credibilidade. Em alguns casos, vão além, destruindo reputações, acabando com as possibilidades de trabalho, intimidando, etc. A carta critica essas condutas e pede uma ciência livre, independente dos interesses econômicos.
    A carta critica também a postura dos órgãos reguladores, da mídia e dos políticos e diante de um tema tão importante.
    Acredito que esse trabalho deveria despertar nos cientistas o interesse em fazer pesquisas de boa qualidade, propiciar debates, trazer a sociedade para discussão. Não gerar uma enxurrada de críticas raivosas, desproporcionais e que não existiram diante de péssimos estudos utilizados para liberar o plantio desses mesmos OGM. Deveria nos lembrar da importancia de respeitar o principio da precaução.
    Acho importante debater a ética, a independência e a responsabilidade dos cientistas que trabalham com essas tecnologias. Especialmente daqueles que, ao se posicionarem sobre ao tema de forma contundente, com claras intenções de influenciar decisões politicas, se esquecem de mencionar claros conflitos de interesses.

  3. Paulo Andrade
    11, outubro, 2012 em 20:47 | #3

    De: Paulo Andrade andrade@ufpe.br Departamento de Genética/UFPE

    Caros.
    Não se trata aqui de defender o homem, mas defender (ou criticar) seu trabalho. É absolutamente irrelevante se o trabalho é de Séralini ou de outro cientista qualquer, o ponto é que o trabalho é muito ruim e tem o objetivo de alarmar o público, sem trazer qualquer contribuição científica à área de avaliação de riscos. Da mesma forma como os jornais sensacionalistas franceses saíram na frente alardeando os resultados do trabalho e dizendo que todos os demais pesquisadores foram ineptos ou vendidos à grande agro-indústria, agora a comunidade científica séria e as agências oficiais de avaliação de risco começam a reagir, dando sua opinião, não sobre o pesquisador, mas sobre o conteúdo de seu trabalho.
    Circular um abaixo assinado em defesa do Séralini é um subterfúgio e uma maneira engenhosa (mas comum) de desviar atenção do ponto fundamental, que é o texto cientificamente insustentável do autor. Sugerimos que os leitores consultem os comentários postados abaixo para maiores esclarecimentos sobre a falta de bases e os gravíssimos erros experimentais do trabalho publicado (ainda apenas online, esperamos sinceramente que a revista se retrate e retire o artigo da forma impressa), e que esqueçam a questão de ataque pessoal, que pode existir, mas não é o que move as críticas técnicas e científicas que agora circulam.
    http://genpeace.blogspot.com.br/2012/09/artigo-que-mostra-o-surgimento-de.html
    http://genpeace.blogspot.com.br/2012/09/artigo-sobre-efeito-de-milho.html
    http://genpeace.blogspot.com.br/2012/10/pesquisadores-brasileiros-assinam.html
    http://genpeace.blogspot.com.br/2012/10/the-largest-experiment-with-human.html

    • 12, outubro, 2012 em 14:43 | #4

      Ainda que essas críticas ao estudo pudessem ser aceitas, a questão é saber porque a “comunidade científica séria” não se mobiliza da mesma forma diante dos estudos fajutos e não publicados das empresas que até hoje embasaram as liberações feitas por ctnbio, efsa, fda e demais?

    • 15, outubro, 2012 em 11:05 | #5

      E o que dizer de promover e circular um abaixo-assinado pedidndo a liberação do feijão transgênico, como fez o próprio doutor Andrade? Nesse caso vale ou seria também um “engenhoso subterfúgio”? http://www.petitiononline.com/dy8lhUaz/petition.html

  4. Maria Alice Vieira
    8, outubro, 2012 em 10:50 | #6

    É muito importante continuar denunciando as falcatruas em favor das multi e transnacionais do setor de agroquímicos e transgênicos que envenam o homem e toda a natureza e ainda perseguem cientistas com todo o tipo de assédio moral chegando mesmo à agressão física, como ocorreu com o Professor Carrasco.

  5. Angelo Pansa
    6, outubro, 2012 em 06:13 | #7

    Parabéns pela publicação da carta. Vai servir para continuar a luta contra os transgènicos e contra os agrotóxicos utilizados que são verdadeiros venenos para os consumidores e para a Natureza. Padre Angelo Pansa – Delegado ICEF (International Court of the Environment Foundation)

  6. Alcemi Almeida de Barros / GESAN
    6, outubro, 2012 em 00:07 | #8

    Apoio a Carta Aberta!