Página Inicial > agrotóxicos, governos, transgênicos > Agência europeia critica estudo sobre milho transgênico

Agência europeia critica estudo sobre milho transgênico

A Agência Europeia para Segurança Alimentar (EFSA) divulgou nota nesta última quinta (4) afirmando ter concluído que “a publicação recente que levantou preocupações acerca da potencial toxicidade do milho NK603 e de um herbicida contendo glifosato é de qualidade científica insuficiente para ser considerado válido como avaliação de risco”. E segue: “para ser capaz de entender o estudo de forma completa a EFSA convidou os autores Séralini e seus colegas a compartilhar informações adicionais consideradas críticas”. Não custa lembrar que a mesma EFSA aprovara a variedade de milho em questão considerando-a segura para consumo.

A equipe do Prof. Séralini já havia publicado estudos toxicológicos mostrando os impactos do herbicida Roundup e de seu ingrediente ativo glifosato (Gasnier et al. 2009; Benachour et al. 2007; Benachour & Seralini 2009).

Os mesmo cientistas também já haviam avaliado dados que as empresas apresentam a órgãos reguladores como a EFSA. Ao analisar de forma independente os dados brutos fornecidos pela Monsanto, eles encontraram sinais de toxicidade após 90 dias de consumo de três variedades de milho transgênico, entre elas a NK 603, alvo do estudo publicado na Food and Chemical Toxicology, e liberada aqui no Brasil (de Vendomois et al. 2009; Seralini et al. 2007; Seralini et al. 2011).

A reação da EFSA fica mais fácil de ser compreendida quando lembramos as ligações de alguns de seus membros com a indústria da biotecnologia, especialmente por meio do ILSI – International Life Science, organização estadunidense financiada, entre outras por Monsanto, Basf, Bayer, ADM, Cargill, DuPont, Kraft, Mars, Syngenta e Unilever.

Quem tiver interesse pode buscar ramificações do ILSI-Brasil na CTNBio e já tentar adivinhar qual será a manifestão que esta prepara sobre a segurança do NK 603, aqui liberado em 2008.

p.s. G1 e UOL publicaram notas a respeito do posicionamento da EFSA.

  1. Dani
    14, outubro, 2012 em 20:03 | #1
  2. Dani
    5, outubro, 2012 em 21:31 | #2
  3. Dani
    5, outubro, 2012 em 18:22 | #3

    Quem tem que provar a segurança dos transgênicos para saúde e para o meio ambiente são as corporações de biotecnologia. E não tem, até o momento, estudo que confirme, sem sombra de dúvidas, que não há riscos.
    Não tem sentido nenhum ficar criticando estudos que vão de encontro com os interesses dessas empresas. O que se ganha com isso? Provem que a tecnologia é segura, se puderem.
    Aliás, lendo o artigo sugerido pelo Paulo Andrade (que curiosamente responde em vários blogs qualquer crítica aos transgênicos), pode-se perceber que vários dos estudos incluídos na revisão não se enquadram no protocolo da OECD.
    Aqui link para o artigo, a quem interessar:
    http://www.foodpolitics.com/wp-content/uploads/Snell_2012.pdf
    No meu entender, do ponto de vista socioeconômico, esse controle sobre sementes é um crime. Aliás, quem é que acredita nesses argumentos altruístas e filantrópicos usados pelas corporações?