BOLETIM N. 08

 

Bem vindas e bem vindos de volta! No Boletim deste mês você lerá: Pressões da agricultura familiar para derrubar os vetos de Bolsonaro; Mulheres e Agroecologia na garantia de comida saudável; Relações entre cultivos transgênicos e agrotóxicos; Luta contra os transgênicos no México e na Colômbia; e, na nossa matéria especial, Sementes como bens comuns dos/as agricultores/as, povos e comunidades tradicionais. Não deixe de conferir também nossas dicas na seção Recomendamos!

Matéria especial

Na matéria desse mês preparamos uma resenha do artigo “Sementes da diversidade – Práticas compartilhadas: conceitualizando Sementes Comuns”, recentemente publicado no Jornal Internacional dos Comuns. Os autores, Sievers-Glotzbach e colaboradores, combinando revisão da literatura e dois estudos de caso, um na Alemanha e outro nas Filipinas, discutem a ideia de Sementes Comuns. Por meio de abordagem transdisciplinar, os autores identificaram quatro características fundamentais das Sementes Comuns que envolvem governança em diferentes escalas: 1) Responsabilidade coletiva; 2) Proteção contra a propriedade privada; 3) Manejo coletivo e descentralizado; e 4) Compartilhamento de conhecimentos e práticas. Leia na íntegra a resenha que preparamos!

Sementes crioulas na mídia

“Vamos pressionar pela derrubada dos vetos”

Bolsonaro vetou praticamente toda a lei que criava auxílio emergencial para a agricultura familiar durante a pandemia. Entre as medidas vetadas estão a concessão de fomento produtivo e acesso ao seguro safra pelos produtores familiares. Os vetos devem ser analisados em sessão conjunta do Congresso. Parlamentares e sociedade civil se mobilizam para derrubar os vetos e garantir a implementação de ações. Philipe Caetano, do GT Biodiversidade da ANA, falou sobre o assunto e sobre a importância do PAA para as sementes crioulas e a construção da autonomia das famílias camponesas.

Alternativas existem!

Na periferia do Rio de Janeiro, lideranças femininas da Agroecologia driblam crise e garantem comida saudável para 200 famílias a partir da produção de assentamentos do MST.

México suspende liberação de soja transgênica.

A ação é desfecho de disputa judicial que se arrasta desde 2016 e foi iniciada quando comunidades camponesas denunciaram plantios ilegais da sementes modificadas. A garantia da proibição depende de fiscalização e reduzirá o uso de agrotóxicos e seus efeitos sobre as abelhas, a saúde e o ambiente como um todo.

Pesquisadores de Santa Catarina identificam efeitos indesejados de agrotóxicos à base de glifosato em plantas transgênicas.

Ou seja, as plantas transgênicas foram modificadas para resistir à aplicação de herbicidas, mas esses mesmos produtos estão afetando o metabolismo, os mecanismos de defesa e a própria fotossíntese das plantas. Os autores concluem que as regras de biossegurança no país devem ser aperfeiçoadas, dado que elas não avaliam o uso combinado do transgênico com o agrotóxico, nem mesmo transgenes acumulados numa mesma planta, como avaliado na pesquisa.

Depois de Bolívia e Equador, Colômbia pode mudar Constituição para proibir transgênicos.

Projeto foi aprovado em primeira instância, estabelecendo que fica proibido o ingresso, a produção, a comercialização e a exportação de sementes geneticamente modificadas.

Recomendamos:

Assistir ao documentário: Sementes crioulas: Cuidar, multiplicar e partilhar, que conta histórias de sementes crioulas e guardiões/ãs do Sul do Brasil.

Ouvir “Nossa Prosa e Prosinha”, Podcasts produzidos pelo Centro de Tecnologias Alternativas da Zona da Mata de Minas Gerais (CTA-ZM).

Acompanhar as discussões no Equador e as tensões para ampliar a fronteira de cultivos transgênicos no país, em plena pandemia de Covid-19.

Conferir o artigo de Silvia Ribeiro, do Grupo ETC, sobre a pandemia de Covid-19 e a impulsão de vacinas transgênicas nunca testadas.

EXPEDIENTE

Sementes Crioulas é uma iniciativa da AS-PTA – Agricultura Familiar e Agroecologia

Edição: Gabriel Bianconi Fernandes
Pesquisa e redação: Helena Rodrigues Lopes e Gabriel Bianconi Fernandes
Produção: Adriana Galvão Freire
Revisão: Silvio Gomes de Almeida, Paulo Petersen e Luciano Silveira
Diagramação: ig+ Comunicação Integrada

Gostou deste Boletim? Escreva pra gente suas sugestões e comentários: revista@aspta.org.br
Confira as edições anteriores em: http://pratoslimpos.org.br/?cat=608